Glossário

A

 

  • ABLA: Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis.

 

  • Aluguel de Carros: abrange a Locação tradicional de veículos (Rent-a-Car) destinada tanto ao consumidor final B2C (Business-to-Consumer) como para o segmento corporativo B2B (Business-to-Business).

 

  • Anfavea: Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

 

  • ARAC: Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis sem Condutor, uma associação que congrega empresas de locação de veículos que atuam em Portugal.

 

C

 

 

  • CAGR: Taxa composta de crescimento anual.

 

  • Capex e Capex líquido em frotas: engloba o total investido pela Companhia na compra de veículos. O Capex líquido considera o total investido subtraindo a receita bruta gerada pela venda de Seminovos, sendo este resultado o real desembolso de caixa da Companhia no período analisado, uma vez que a receita de Seminovos é reinvestida na compra de novos veículos para as operações de Locação.

 

  • CCB: Cédula de Crédito Bancário.

 

  • CDI: Certificado de Depósito Interbancário.

 

  • Cessão de créditos por fornecedores (Montadoras): a Companhia tem como parte estratégica de sua operação a realização de grandes volumes de aquisições de veículos junto às montadoras, de forma a obter melhores condições financeiras. Os fornecedores da Companhia, por sua vez, descontam os títulos junto a instituições financeiras de primeira linha através de uma operação de cessões de crédito, a qual consiste, basicamente, na venda desses recebíveis, sem direito de regresso. Desta forma, os títulos deixam de ser pagos aos fornecedores e passam a ser pagos às instituições financeiras, as quais levam em consideração o risco de crédito da Companhia.

 

  • Covenants: são itens dos contratos dos empréstimos e financiamentos, criados para proteger o interesse do credor. Estes itens estabelecem condições que limitam o grau de alavancagem de uma empresa.

 

D

 

 

  • Debêntures: Debêntures objeto das distribuições públicas efetuadas ao amparo da Oferta.

 

  • Depreciação de veículos: é calculada pela diferença entre o preço de aquisição do carro e a estimativa da Companhia para o seu preço de venda no final do contrato, após deduzir a provisão de despesas de vendas. Cada empresa do setor possui suas próprias métricas para o cálculo de depreciação por veículo. Quanto maior o valor, mais conservadora é a metodologia de cálculo.

 

E

 

 

  • EBITDA (Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization) e EBITDA Ajustado: é o lucro líquido antes dos impostos, das despesas financeiras líquidas, das despesas de depreciação e amortização, e do resultado da venda de veículos. O EBITDA Ajustado é calculado desconsiderando efeitos não-recorrentes ao negócio da Companhia e é utilizado para medir o potencial de geração de caixa na atividade fim e determina a evolução da produtividade e da eficiência ao longo dos anos.

 

F

 

 

  • Frota média alugada: no aluguel de carros, é obtida pela divisão do número de diárias utilizadas do período pelo número de dias do período. Na terceirização de frotas é o número de carros efetivamente alugados no período.

 

  • Frota operacional: Inclui os carros da frota a partir do emplacamento até a disponibilização para venda.

 

I

 

  • Idade média: idade média da frota calculada em meses. Pode ser calculada para a frota operacional atualmente em atividade nas divisões de Terceirização de Frotas e de Aluguel de Carros como também para os veículos vendidos na divisão de Seminovos.

 

M

 

  • Margens EBITDA, EBIT e Líquida: como métrica para a indústria de Locação de Veículos, essas margens são calculadas dividindo os totais do EBITDA, EBIT e Lucro Líquido sobre a Receita Líquida de Locação de Veículos (ou a Receita Líquida Total – a Receita Líquida de Seminovos).

 

  • Método de Equivalência Patrimonial: método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio líquido da sociedade investida, e no reconhecimento dos seus efeitos na demonstração do resultado do exercício.

 

N

 

  • Número de diárias: total de diárias contratas pelos clientes. É calculada multiplicando a frota média alugada pelo total de dias inclusos no período analisado.

 

P

 

  • Preço médio de compra: é calculado pela divisão do total de Capex em frotas pelo total de carros comprados no período analisado.

 

  • Preço médio de venda: é calculado pela divisão da receita bruta de Seminovos pelo total de carros vendidos no período analisado.

 

R

 

  • ROE (Return on Equity): mede a capacidade de agregar valor de uma empresa à partir de seus próprios recursos e do dinheiro de investidores. O ROE anualizado é calculado usando o lucro líquido recorrente do período analisado dividido pela média mensal do patrimônio líquido ajustado pela dedução do ágio gerado por eventuais fusões e adição do ajuste de avaliação patrimonial (Patrimônio Líquido Tangível).

 

  • ROIC (Return On Invested Capital): mede o retorno gerado como uma porcentagem do capital investido. Para o cálculo do ROIC anualizado, consideramos o NOPLAT (EBIT líquido de IR) dividido pela média do capital investido, que por sua vez considera a soma das saldos de imobilizado, estoques e contas a receber, subtraindo o saldo de contas a pagar (fornecedores).

 

T

 

  • Tarifa média: Para Terceirização de Frotas, a tarifa média é calculada através da divisão da receita bruta de Locação de Veículos pela frota média alugada no período analisado, sendo a tarifa mensal. Para a divisão de Aluguel de Carros, a tarifa é diária e é calculada pela divisão da receita bruta de Locação pelo número total de diárias.

 

  • Taxa de Utilização: é o percentual de frota média alugada sobre a frota média operacional.

 

  • Terceirização de frotas: contratos de Locação de longo prazo – mínimo de 12 meses – de veículos (Fleet Management) destinada exclusivamente ao segmento B2B (Business-to-Business).